Instituto Nacional de Saúde e Bem-Estar Finlandês

Contexto

O Instituto Nacional de Saúde e Bem-Estar Finlandês é um Instituto de pesquisa e desenvolvimento que trabalha sob a alçada do Ministro Finlandês da Saúde e Assuntos Sociais. O Instituto serve a sociedade em geral, a comunidade científica e os decisores do governo central e dos municípios. O seu objectivo é promover a saúde e o bem-estar na Finlândia. Dentro do Instituto, há um departamento de Saúde, Capacidade Funcional e Bem-Estar. O seu trabalho centra-se nos mais importantes assuntos de saúde pública, os seus determinantes, e em monitorizar a saúde da população e seus subgrupos.

O departamento conduz trabalho de pesquisa e desenvolvimento com um quadro de parceiros colaborativos para promover a saúde e a capacidade funcional dos finlandeses, e para destacar a monitorização da saúde entre subgrupos da população a um nível local. O departamento fornece dados que ajudam a preencher lacunas de informação em saúde, capacidade funcional e bem-estar, bem como informação nos determinantes que a influenciam. A principal lacuna de informação foi identificada como sendo a monitorização local desses determinantes em adultos. A monitorização da saúde infantil também é uma área onde mais informação é necessária.

O começo

Falamos com Risto Kaikkonen, responsável pelo projecto, sobre a apresentação de dados e o seu papel em ajudar a explicar tendências na saúde a uma audiência mais vasta. De acordo com Risto, o ímpeto foi a necessidade de os decisores  terem um melhor entendimento dos dados a um nível geográfico mais baixo – áreas geográficas menores que regiões. “Tínhamos informação relevante sobre a Finlândia e as suas regiões, mas não a um nível mais local. Dados retirados de um questionário feito em relação ao estilo de vida e experiências pessoais dos cidadãos não estavam disponíveis a um nível local ou até regional. Monitorização de saúde a um nível local com a possibilidade de seguir as tendências entre os subgrupos populacionais é necessária. Isto faz parte das responsabilidades oficiais para com as municipalidades Finlandesas,” diz Risto.

“Com InstantAtlas temos sido capazes de combinar cinco ou seis fontes diferentes de dados com intervalos de confiança requeridos, que não seriamos capazes de obter com outro sistema de reporte. O que também é muito útil é a possibilidade de apresentar resultados com reportes de perfil. A mais-valia dos reportes de perfil é que agora podemos incluir sub grupos na monitorização. Isto é especialmente útil quando temos de combinar dados numa categoria sócio económica.”

De encontro às necessidades

O departamento tem a função chave de desenvolver sistemas que monitorizem desigualdades na saúde. Isto envolve a recolha de questionários a  nível local e registar os dados que incluem categorias sócio económicas e divulgar os resultados. Para preencher a lacuna em informação com relação aos adultos, o departamento lançou um novo Estudo Regional de Saúde e Bem-Estar (em inglês: Regional Health and Well-Being Study (ATH). Risto é o investigador responsável pelo Estudo e diz que a visualização de dados permitiu à equipa dispender mais tempo na compreensão de tendências do que em pesquisas académicas. “Metade do nosso tempo pode agora ser gasto a compreender tendências e fazendo análises posteriores. Para alem disso, responsáveis podem agora tomar melhores decisões baseadas no que os reportes interactivos mostram.”

A reacção dos usuários foi muito positiva e a possibilidade de aprofundar os dados tem sido muito bem recebida. Risto nos disse que os investigadores estão muito satisfeitos porque agora podem produzir reportes em pouco tempo, uma vez que os resultados podem ser consultados com muita rapidez.

Desenvolvimentos Futuros

Risto espera poder incluir mais detalhes e reportes feitos à medida. No futuro, mais tendências podem ser adicionadas com comentários, para fornecer um melhor entendimento dos resultados. O objectivo é incluir nos reportes mais informação descritiva na relevância e interpretação de resultados. “Os números necessitam de explicações”, diz Rito.

“Olhamos para isto como um recurso que podemos desenvolver. Por isso, esperamos que no futuro, mais conjuntos de dados possam ser incluídos. Provavelmente, seremos capazes de produzir relatórios mostrando como os recursos estão sendo utilizados – o que vai ser muito útil para organismos de financiamento,” diz.

Benefícios Chave

–       A visualização de dados está a poupar tempo ao departamento, que pode agora ser gasto em análises;

–       Responsáveis podem agora basear suas decisões em informação detalhada, referente a  níveis geográficos mais baixos;

–       Um largo número de usuários tem agora acesso a informação sobre saúde e desigualdades sócio económicas, a um nível local;

–       Comparações entre áreas geográficas diferentes são agora muito mais fáceis de fazer que antes;

–       Os reportes são flexíveis e podem ser apresentados de  maneiras diferentes– para se adaptarem a diferentes audiências.

Anúncios